20 de março de 2017

Assim

  • "Todos os meus amigos já me alertaram para não ficar tão no pé, para não correr atrás, demorar para responder as mensagens e dizer dois “não” antes de qualquer “sim”. Mas, pensando bem, acho que não nasci para amar assim. Eu não sei entrar nesse jogo de desinteresse para me mostrar interessado. Pela minha lei, a gente manda mensagem sim. Pelas minhas regras, é permitido responder qualquer mensagem logo nos primeiros segundos depois dela chegar. Não tem por que fingir que não já leu e não repetiu a resposta em voz alta, como se o mundo inteiro precisasse saber que dentro do nosso peito existe amor. Existe uma sensação de formigamento, ansiedade e gosto dos beijos que nem foram dados, mas já ficaram na memória. A gente perde tempo demais fingindo desinteresse. A gente gasta um tempo danado dizendo as coisas ao contrário. Como se disser que já tem programa para qualquer uma das noites ou usar menos exclamação, menos emoticons, fosse extremamente necessário para que a pessoa do outro lado da tela não encha seu saco de mim. Olha, eu não sei ser assim. Para me amar, tem que responder tão rápido quanto eu. Tem que ser efusivo, exagerado, tem que topar sair para qualquer lugar, ainda que não seja de grife ou com a melhor crítica. Para estar comigo, tem que aceitar sair para ver uma animação no cinema domingo à noite. Tem que ser alguém que não curta joguinhos no relacionamento, mas seja infinitamente mais vingativo que eu depois de receber +4 no Uno. Que queria me conquistar tanto quanto eu gostaria de conquistar todos os seus imóveis no Banco Imobiliário. A vida é uma só para a gente ficar ensaiando as melhores formas para dizer o óbvio como – eu amo você. Se você sente, é certo. Se você quer, é correto. Não tem nada que alguém possa te dizer para provar o contrário. Não tenha medo de demonstrar interesse por receio de não haver reciprocidade. Uma hora a gente dá match. E se não der, se não for dessa vez, paciência. A gente ousou ser autêntico o suficiente para conquistar alguém. Não teve truque, fórmula mágica ou meia dúzia de joguinhos. Só peito aberto e cara de pau de ser quem se é."

9 de fevereiro de 2017

Antigamente

Antigamente, eu ficava bem preocupado com o que os outros pensavam de mim. Hoje tenho consciência que sou uma pessoa digna e honesta, e sei que as pessoas vão pensar o que quiserem, e isso em nada afeta meu modo de ser e quem eu sou em essência.

Antigamente, eu queria provar algo aos outros. Hoje descobri que, na verdade, sentia uma grande insegurança, e por isso tentava demonstrar algo, não às pessoas, mas a mim mesmo. Hoje vejo claramente que, quando se tem confiança naquilo que somos, não precisamos provar coisa alguma.

Antigamente, eu fazia de tudo para os outros gostarem de mim. Hoje sei que as pessoas precisam sentir afeição por quem eu sou, e não por quem eu pareço ser. Sei também que pessoas que mendigam o afeto das outras quase nunca conseguem o que desejam. Por ansiarem tão vorazmente o amor e a admiração dos outros, elas passam a ser aquilo que os outros esperam que elas sejam, e assim, caem num abismo profundo de um eu fantasioso e irreal.

Antigamente, eu acreditava que poderia esconder meus problemas não pensando neles e me concentrando nas questões objetivas do mundo. Hoje sei que por mais que se tente, não se pode fugir das emoções profundas que estão armazenadas dentro de nós. Podemos tentar burlar, dissimular, distorcer, etc, mas a verdade é a verdade. Ela não se modifica por nossa vontade. Hoje sei que, somente encarando de frente aquilo que nos assola é que se pode dissolver os nós profundos das feridas interiores e seguir em frente.

Antigamente, eu achava que o mundo deveria corresponder aos meus anseios e necessidades. Achava que os outros tinham que me servir e sempre lutava pelos “meus direitos”. Hoje vejo que cumprir meus deveres é muito mais importante e digno, e que de nada adianta tentar modificar o mundo e as pessoas; ninguém se curvará as minhas pretensões de como o mundo deve ser. O mundo é o que é. Não quero mais que as pessoas sejam da forma que eu acho que devem ser, eu me esforço por aceitar, sem me acomodar, à realidade que se apresenta. Hoje busco apenas melhorar a mim mesmo e ajudar a quem necessita.

Antigamente, eu pensava que podia viver uma vida superficial e mesmo assim ser feliz. Vivia vendo novelas, bebendo, fumando, jogando conversa fora, fazendo sexo sem amor. Hoje vejo que, para ser feliz é necessário olhar a vida como ela é, além do véu aparente que encobre a existência. Não é possível cortejar a ilusão e ser feliz. Ou se vê a realidade para ser feliz, ou se vive uma vida de quimeras e devaneios que só poderá trazer a solidão e a infelicidade.

Antigamente, eu queria ajudar as pessoas a todo custo. Via-me como uma espécie de salvador que poderia socorrer muitas pessoas com minhas capacidades. Hoje sei que cada pessoa tem total poder de lidar com seus contratempos e dissabores, e negar isto é recusar-se a crer no potencial espiritual que cada pessoa tem de crescer a partir de seus próprios percalços , conflitos e limites. Compreendi que, por superestimar minhas habilidades, acreditei que poderia “salvar” as pessoas. Mas entendi que só as próprias pessoas se salvam, e que o máximo que podemos fazer é indicar o caminho e dar um suporte quando necessário. Por outro lado, de nada adianta ajudar aqueles que não querem ser ajudados.

Antigamente, acreditava que deveria ter um compromisso com o sucesso; deveria me debruçar sobre os melhores cargos, os melhores salários; ser alguém de destaque, alguém com uma imagem intocável nos negócios. Hoje sei que buscar a todo custo o sucesso é fazer um contrato com a infelicidade. Ninguém pode ser feliz buscando o sucesso e a fama a todo custo. Quando chegamos ao topo o único caminho possível é o da descida. Quem não valoriza aquilo que possui vive desejando aquilo que não possui, e não há maior pobreza do que viver a vida ansiando ter aquilo que não tem. Quanto maior o desejo e a expectativa, maior a frustração; quanto mais criamos um ideal de como tudo deve ser, mais vivemos numa ilusão criada por nós mesmos. Quando desejamos o destaque e o status quo acabamos por não dar valor às coisas simples da vida, que são as mais importantes.

No final das contas, é o cheiro da grama, a brisa que sentimos num final de tarde, a chuva caindo sobre nós, o abraço do ser amado, a visão de um pôr do sol, o canto dos pássaros, o contato com a simplicidade e naturalidade da vida, do cosmos, do infinito… é isso que nos faz felizes de verdade. Não se deixe tragar pelas miragens do mundo, pelas imagens que seduzem, pelas formas exteriores, por aquilo que é consumido pelas correntezas do tempo… Busque o real além da ilusão, e terá paz e felicidade jamais sonhadas.
Autor: Hugo Lapa.